Os Quinze Melhores Robôs Da História Do Cinema

Os Quinze Melhores Robôs Da História Do Cinema 1

Já antes de que existisse uma frase para defini-los, os robôs estavam no cinema. Vistos em algumas ocasiões, como criaturas ameaçadoras e desalmados, os robôs foram representado no cinema o temor dos frágeis humanos, as máquinas e a tecnologia, o progresso e a desumanização. Mas o cinema é muito e muito amplo, e também soube retratar os robôs com ternura e amor, admiração, respeito e até, algumas vezes, a inveja.

os Inteligentes ou os encantadores, amorosos ou, é verdade, com ele, o cinema está repleto de notáveis robôs. Atrévamonos, numa reviravolta, a recordar alguns: animais de estimação admitidos sugestões visto que, isso é, com certeza, todos nós neste instante sonhou alguma vez com o nosso robô favorito. Perdão por começar com um spoiler: Ash, um dos imperturbables passageiros de extenso Alien, era um robô.

Um robô com propósitos perversos: fazer todo o possível para que o maligno alienígena do video entrasse na nave espacial Nostromo e assim pudesse ser recuperado por humanos. Para piorar, tentou matar a heroína Ripley com uma revista pornográfica: teria, isso sim, o teu correto castigo durante o video.

  • Passo 2: Conecte o teu equipamento Android a partir de um cabo USB
  • Usuário que reporta: Cobalttempest Dialoguemos 01:51 24 de setembro de 2007 (CEST)
  • Acelerador de potência
  • Agora as flechas flamejantes conseguem iluminar as vagonetas com TNT
  • 2013 – Segundo Prêmio Food in 1m3[20]

Os robôs assim como conseguem ser bonitos. Toda a ternura do mundo cabia em um amplo robô protagonista de um clássico do cinema de animação. Ambientada pela paranoica década de cinquenta, O gigante de ferro ficava do lado do estrangeiro, do recém-chegado, do desconhecido.

o diretor, Brad Bird, fez carreira no cinema: feito em Disney, dirigiu depois pra Pixar Os ótimos e Ratatouille, e ficou uma referência do melhor Hollywood, com sequelas tão dignas como Missão Impossível: Protocolo Fantasma. Uma graciosa filme de robôs feita em Portugal? Sim: Eva. Dirigido pelo iniciante Kike Maíllo, Eva não tem de grandes efeitos especiais ou centenas de milhões de dólares para situar-se em um futuro credível, familiar e repleto de robôs.

Max era um deles: um mordomo entusiasta e repeinado encarnado por Lluis Homar, que recebeu nesse trabalho sua primeira indicação ao Goya. Sim: Steven Spielberg se foi a cabeça. Concebida por Stanley Kubrick, Spielberg herdou a tarefa de fazer o Pinóquio do Século XXI, de filosofar e enternecernos com a desesperada história do piá robô, que sonha em ser humano. Harry Joel Osment, o protagonista de O Sexto Sentido, voltou a bordarlo, e Spielberg soube rodearle de outras criaturas cativantes, como o Gigolo Joe de Jude Law.

O delirante final dividiu considerações e causou carinho e ódio, no entanto ninguém pode colocar em dúvida a humanidade e inocência do menor robô protagonista. Remixada, digitalizada e recuperada cíclicamente, Metropolis é uma das cúpulas da Sétima Arte, uma jóia de uma época tão decisiva na história do cinema como o expressionismo. Trancado em um metálica máquina de matar. C3PO e RD2D contemplavam os disparates humanos com dignidade e humor, no entanto sempre estavam dispostos a ceder uma manoComo o Gordo e o Magro, é inaceitável separá-los. Mas não: nós todos sabemos que nem sequer todos os robôs são bons. Aqui, além disso, não é que os tenham programado errado, porém que finalizaram sendo tão inteligentes que escolheram independência e encerrar com os humanos.

Na futura batalha entre máquinas e humanos (será em 2029), mesmo que optam (faz ausência ser perverso) enviar a um os seus homens ao passado para assassinar o líder de pessoas. Esse era o T-800, um dos papéis que tornaram a Arnold Schwarzenegger em lenda.

É um dos grandes clássicos da ficção científica: Ultimato a Terra, além de um filme sobre o assunto alienígenas, era uma chamada para a pacificação e o entendimento em plena Guerra Fria. Um extraterrestre visita o nosso planeta, pra alertar os humanos: deixá-los de escaladas nucleares. Os humanos, claro, lhe capturavam e objetivavam viviseccionarlo para observar o que tinha dentro: por acaso, foi acompanhado por um gigantesco robô Gort, que lhe resgatando e colocava em seu website para os imprudentes globo.