Teoria Do Flogisto

Teoria Do Flogisto 1

A hipótese do flogisto, substância hipotética, que representa a inflamabilidade, que é uma teoria científica obsoleta, de acordo com a qual toda substância susceptível de sofrer combustão contém materiais orgânicos, e o modo de combustão consiste basicamente na perda dessa substância. Foi postulada pela primeira vez em 1667 pelo alquimista/químico alemão Johann Joachim Becher para esclarecer o método químico da combustão. Johann Becher propôs uma versão característico da hipótese dos 4 elementos: o papel estava reservado à terra e à água, no tempo em que que o fogo e o ar eram considerados como fácil agentes de modificações.

Todos os corpos, tal animais como vegetais e minerais, eram formados de acordo com Becher por misturas de água e terra. Defendeu também que os verdadeiros elementos dos corpos deveriam ser investigados a partir da análise e, em coerência, propôs uma classificação baseada numa ordem crescente de composição.

Becher sustentava que os componentes imediatos dos corpos minerais eram de 3 tipos diferentes de terras, cada uma delas portadora de uma domínio: o estilo vítreo, o caráter combustível e a fluidez ou volatilidade. A terra que denominou terra pinguis se considerava portador do princípio de 0 inflamabilidade.

  • Outras condições médicas que possa ter
  • o que me diz da cozinha japonesa e índia
  • 5 A mulher espartana: livre e prestigiada
  • O ‘selfie’

o Seu nome poderia ser traduzido como terra, graxa ou terra oleaginosa, que a alquimia se sabe com o nome de enxofre, a despeito de Becher empregou bem como outras expressões pra designarla, entre elas enxofre flogisto. Finalmente, foi a expressão flogisto que acabou por se firmar, graças ao serviço de mais dinheiro defensor de suas idéias, Georg Ernst Stahl.

Também se sabia da existência há bastante tempo que várias dessas sais metálicos podiam ser transformados mais uma vez em metais de partida. Em expressões claras, Stahl considerava-se que os metais e, em geral, todas as substâncias combustíveis contêm uma substância que não tem peso, tal substância é a chamada flogisto. O desenvolvimento da química pneumática no século XVIII, trouxe novos desafios pra essa visão, que foram enfrentados por Joseph Priestley. Este autor utilizou a hipótese do flogisto para explicar as mudanças do que ele denominava “os fluidos elásticos” (ou “gases”, de forma aproximada, em nossa terminologia atual). Priestley introduziu expressões como “ar flogistizado” e “ar desflogistizado”.

Foi percebido desde muito antigo que qualquer substância arde durante um ciclo restrito, se a quantidade de ar acessível é identicamente limitada (no caso de ser localizado, tais como, em um recipiente estanque). Nestas reflexões, Lavoisier mostra a incerteza da hipótese do flogisto, desenvolvida por Georg Ernst Stahl para esclarecer os fenômenos de combustão.