O Desenvolvimento Dos Negócios ‘Rosas’

O Desenvolvimento Dos Negócios 'Rosas' 1

A progressiva abertura da sociedade para o coletivo de gays e lésbicas tem possibilitado o surgimento de uma nova oferta de serviços e produtos destinados sobretudo pra este público. Como em outros estilos empresariais, as tendências no exterior são as que marcam a pauta e em Portugal estamos em um ciclo em que o negócio rosa começa a decolar. Os menores empreendedores mais ávidos foram lançados pra ocupar estes freguêses, que gastam anualmente entre 3,5 e 5 bilhões de pesetas.

na atualidade, mais de 200 estabelecimentos dirigidos sobretudo ao mundo homossexual têm abertas as suas portas em Madrid e Barcelona. Essas organizações faturam cerca de 2.500 milhões de pesetas ao ano, o que significa uma mínima quota da despesa que executa esse coletivo.

O setor do lazer e o tempo livre é um dos que mais tem crescido no recinto gay, propiciado pelo extenso porcentagem de receitas que esse coletivo dedicado ao alegria e ao entretenimento. Os negócios neste domínio não se limitam a saunas ou locais de hostess. Berkana foi a primeira livraria especializada em tópicos gays-lésbicas no território português. Foi inaugurado em 1993 e foi o primeiro negócio do dia em que foi destinada ao público homossexual. Em 1995, os promotores de Berkana, fundaram a editora Egalés, a única residência espanhola, que publica o romance-ensaio só homossexual e distribui seus títulos entre grandes lojas e livrarias. As agências de viagens são outro dos negócios que têm arrancado com potência no setor.

Navegaytur é uma das seis agências que operam em Madrid e que tem aberto uma linha de negócios para o público gay. O consumidor pode solicitar a partir de um hotel, onde possa construir-se com autonomia, até um curso com alguns companheiros de viagem homossexuais.

A decoração, a imagem e o cuidado pessoal são outros estilos que os homossexuais dedicam boa quantidade de seu orçamento. Desse jeito, surgiram negócios como floristerías, salões de cabeleireiro, gabinetes de psiquiatria, lojas de moda, lojas de artigos para o lar ou reformas domésticas. Nasceu também o Projeto Arco-Íris, a primeira consultoria pra negócios voltados pra gays e lésbicas, que presta um serviço completo a todos aqueles que desejem combinar-se no mercado. Outra iniciativa é a Parceria pra Negócios de Gays e Lésbicas (Asegal), integrada por trinta e dois organizações geridas por homossexuais e heterossexuais. 308 1103 – Livraria Berkana.

P. – menciona-Se à corrupção entre os policiais ou o sistema de justiça? R. – Não acredito que venha só da Polícia, bem como está acontecendo qualquer coisa de errado com o sector judicial. Os juízes têm que fixar tuas decisões, não apenas ordenar a libertação dos presos e deixá-lo nas mãos da Polícia.

  • Dois Antiguidade 2.1 Creta minóica e micênica 2.1.Um Época prepalacial
  • Colégio Liceu Campestre Pereira
  • quatrorze horas. O Chelsea vai colocá-lo à Conte 280 milhões pra contratar
  • Ausência de corporações democráticas

eu Não sei por que não colocam em autonomia diretamente do tribunal. Há problemas (de corrupção) com o Ministério do Interior, os investigadores e o Ministério da Defesa, no entanto assim como com os mesmos juízes. P. – Com esse panorama, o R. – A pena capital não é simples de botar, tem muitos passos.

A lei iraquiana, autoriza-a, e a ocorrência no Iraque requer aplicar a pena de morte. A taxa de assassinatos e crimes que encontramos é espantoso. Não há dúvida que nesses momentos a pena de morte é muito necessária no Iraque. Não é o instante de abolirla.

, E pode estar segura de que não é acessível condenar ninguém à pena de morte. P. – A desistencia das viúvas iraquianos, mais de um milhão de mulheres, torna-se uma potencial arma de grupos armados. Como é que está tentando o Governo por esse tema?

R. – Estas viúvas têm certo a trabalhar e necessitam poder aceder a um emprego. Se damos-lhes uma educação e lhes abrem postos de trabalho são capazes de fazê-lo. Não se trata de oferecer-lhes dinheiro, ajuda ou assistência. Há que buscarles trabalhos. As mulheres são mais de 51% da população iraquiana, contudo uma amplo percentagem delas não têm uma alta qualificação educativa e isso implica que ninguém lhes apresenta emprego. Essa é a nossa prioridade.