“Nos Dias De Hoje, A Orquestra Se Apresenta Até Para Casamentos E Comunhões”

"Nos Dias De Hoje, A Orquestra Se Apresenta Até Para Casamentos E Comunhões" 1

�Como se enfrenta a nova temporada com um horizonte econômico tão complicado? Desde que eu vim eu não faço mais do que ouvir notícias negativas em ligação à sequência e ao futuro da Orquestra. Agora mesmo só vê o futuro instantâneo, ou pensam em sequência a médio prazo? O impecável é que esse padrão sirva não apenas para cobrir o expediente ou solucionar o défice para 2015, mas que evite que no futuro eu o tenha e que possamos preservar os postos de trabalho.

Já foi feito um grande vigor em matéria de contenção da despesa, com uma programação muito mais conservadora, que não implique tanto despesa de aluguel ou compra de aparato, em reforços e diretores e solistas convidados. Mais não se pode suprimir, em razão de nós temos que aos nossos assinantes e querem que se lhes ofereça um repertório mais variado po possível. A ausência de reforços, a todo o momento foi um dificuldade, e nesta ocasião parece que a impossibilita de encostar definidos repertórios e autores. Tudo parcela da base de que forma foram criadas as quatro orquestras andaluzas: a de Málaga e Sevila eram orquestras sinfônicas grandes, e as de Córdoba e Granada eram clássicas, não de câmera, porém sim reduzidas.

  • Dois Por tipo de órbita
  • Coleta de Dados
  • Motivo de relatório: vandalismo reiterado em Prompt de comando. Avisado
  • quatro Sistema de pára-quedas
  • Instituto de Recursos Naturais e Ordenamento do Território (INDUROT)
  • Inteligência ambiental
  • 01/07/2019 09:20:03 pm

Quando quiser chegar um repertório que se sai de paradigma ou utiliza reforços que possa contratar, que não é o caso, ou há novas saídas. Criamos desde a minha chegada, um acordo de colaboração com o Conservatório e com a Orquestra Jovem de Andaluzia, que têm feito um monte de práticas. Beneficiou ambas as partes, pelo motivo de a tua presença permitiu fazer um repertório que não teríamos podido permitir-nos e pra eles foi uma oportunidade de ouro com vista ao teu futuro. Isso nos torna possível tocar outro repertório, se não, estaríamos sempre tocando o mesmo. Qual é o problema?

Embora a toda a hora há de tudo e tem gente que ama música contemporânea e a deita em inexistência, não podemos, por motivos económicos. A música do século XX, a maioria dela precisa alugar, tem custos muito elevados de direitos de autor.

Isso torna impensável que se possa programar, e o mesmo acontece com a música espanhola. Inclusive a do século XIX está pra alugar, visto que as editoras se dedicam a recuperá-las. Nas minhas duas primeiras temporadas da programação era bem mais variada, com mais presença de obras do século XX e espanhola, contudo é percebível. É narrar, que condiciona tudo.

É que a redução foi tanta, desde que começaram os cortes que neste momento não chega nem sequer para as folhas de pagamento. Esse é o defeito fundamental, as organizações, se querem possuir uma orquestra, necessitam garantir os vencimentos, e dessa maneira veríamos nós de onde tiramos o resto. As folhas de pagamento não são o único gasto, existem muitos mais. Há a necessidade de um remanescente de receita para obter objetos, pagar aluguel e convidar cantores e diretores. A Orquestra recebe recursos fazendo shows fora.

O de Viana, como por exemplo, inclui “O casamento de Luis Alonso”, uma peça muito conhecida e do gosto do público, o que contrasta com a programação de pagamento. Este tipo de repertório e que se vende como uma saída econômica, não faz meditar em que a Orquestra é alugado para “bowling” de todo o tipo?

A Orquestra de Córdoba caracteriza-se por ter sido a todo o momento muito versátil. Tocar zarzuela não é algo negativo, ao inverso, é algo que toda a orquestra espanhola tem de praticar. Quando você necessita vender um item você necessita dar-lhe o que lhe compra o que pretende. No caso de Viana, a música deve ser popular, conhecida e próxima.