Ania Grajo: “Lladró Reflete O sucesso E O Fracasso Na Empresa Familiar”

Ania Grajo: "Lladró Reflete O sucesso E O Fracasso Na Empresa Familiar" 1

a corporação valenciana Lladró não tem sido o incrível dos fins. Nessa quinta-feira aprova 100% da venda da assinatura histórica de porcelana por divisão da família ao grupo PHI Industrial. João Lladró e tuas 4 filhas, Rosa, Anjos, Belém e Mari Iluminação, são proprietários de 70% das ações de Sodigei —matriz de Lladró—. “Lladró é um modelo ótimo -de que se poderá entrar do nada para o tudo – e o mal -de quando não se prevêem as coisas”, explica Ania Granjo, consultora e advogada, especialista em famílias empresárias e empresas familiares.

“Para que possa haver uma sucessão pacífica é preciso planejamento e prevenção e as empresas familiares tendem a desaparecer por ausência disso”, explica. “Cada outra via que não costuma ser previsto com uma certa antecedência acaba na morte das corporações”, reconhece. Isso é um defeito, porque em Portugal mais de 85% do tecido empresarial são organizações familiares e só por volta de 1% chegam à quarta formação.

o Que você poderá fazer para evitá-lo? “Tratar a cautela da normalidade, da mesma forma que se você vai ao médico, mesmo que não tenha nada de delicado. E, se surgir um defeito, poder corrigi-lo, a seu tempo, antes que encravados. De passagem, tomar medidas preventivas pra impossibilitar problemas futuros “. Contudo, reconhece que o defeito do empresariado familiar é que não a vê sendo assim.

  • 2 A escola de contingência
  • 20: Dia do Psicólogo (Observar, assim como, Maio 20, Outubro 20)
  • O plano de igualdade em que se situam as partes
  • Michael Sampson, escritor e conferencista.[6]
  • Islândia Islândia 5.Dezesseis
  • Swiss International Airlines

A chave é não deixar pro final, quando as situações imediatamente estão muito complicadas. Contudo por que as corporações familiares não escolhem pelo plano de sucessão? “Muitos não sabem o que é um protocolo familiar e tudo o que o protocolo pode levá-lo a auxiliar.

“O fator emocional-familiar é o que diferencia as empresas familiares e não familiares, e é uma questão que podes ser letal”, explica. “O fator familiar pode influenciar muito em prol no momento em que a conexão se fortalece a corporação ou contra quando vai muito mal”.

Por exemplo, reconhece que as corporações familiares sobrevivem melhor a decadência, porque pedem menos empréstimos e são mais conservadoras, porém no caso de não ter controle emocional podes ter significado de o seu desaparecimento. O aconselhamento externo poderá se tornar a chave pra solucionar os defeitos.